Buscar em todo o site

Somente em agenda

Somente em comissões

Somente em galerias

Somente em publicações

Somente em setores

Somente em subseções

Somente em TED

ARTIGO: ‘Ação Rescisória: A Redenção do Direito’, por Eliseu Fernandes

Página Inicial / ARTIGO: ‘Ação Rescisória: A Redenção do Direito’, por Eliseu Fernandes

Dentre os meios de impugnação das decisões judiciais com trânsito em julgado, a que se atribui defeito, nulidade, ineficácia, encontra-se a Ação Rescisória, que se formula em processo autônomo, isto é, instaura-se um novo processo com o traslado das peças fundamentais dos autos originais, máxime a sentença que se impugna.

Disso decorre que, diferentemente dos recursos que são formulados nos mesmos autos em que a sentença é proferida, a ação rescisória deve ser proposta depois do trânsito em julgado da sentença que se pretende impugnar, em autos apartados.

A finalidade precípua da ação rescisória é rescindir, desconstituir ou anular sentença com trânsito em julgado que se tornou irretratável e imutável, por não mais caber contra ela qualquer recurso, conquanto haja em seu bojo, vícios e nulidades que ofendem a lei, em prejuízo do direito e da justiça.

O Novo Código de Processo Civil aprovado no Senado e em fase de aprovação na Câmara dos Deputados mantém a ação rescisória, alterando, contudo, o prazo de decadência do direito de ação que, de dois anos atuais, passa a ser de um ano.

Com efeito, em conformidade com o artigo 485 do Código de Processo Civil atual e seus incisos de I a IX, a ação rescisória pode ser proposta, no decorrer do prazo de dois anos a contar do trânsito em julgado da sentença, quando:

I) se verificar que a sentença foi proferida por prevaricação, concussão ou corrupção do juiz;

Vale dizer, dar-se-á prevaricação quando o juiz sentenciar contra a lei expressa tão só para satisfazer sentimento ou interesse pessoal; a concussão se caracteriza no fato de o juiz sentenciar mediante extorsão, isto é, pressão violenta ou ameaça, e receber dinheiro para decidir favoravelmente a quem paga; há o peculato na decisão em que ocorre o desvio de bem ou dinheiro público; e a corrupção se caracteriza quando o juiz é subornado, isto é, aceita voluntariamente dinheiro para proferir sentença favorável ao agente do suborno, ou propina enfim. Estas circunstâncias ou fatos odiosos constituem a primeira hipótese que autoriza a ação rescisória;

II) sentença proferida por juiz impedido ou absolutamente incompetente em razão da matéria;

a) estará impedido de decidir o Juiz que tiver interesse na causa; ou for parente de uma das partes ou do advogado de uma delas. Logo, a sentença que for proferida nessas circunstâncias estará comprometida e comporta a rescisória;

b) em razão da matéria, dar-se-á a incompetência, por exemplo, quando se peticionar perante juízo da justiça comum federal ou estadual, ação trabalhista contra uma empresa privada, cuja competência é da justiça especializada do trabalho. Tanto quanto incompetente o é o juízo da justiça comum estadual para julgar causa de interesse exclusivo da união.

III) sentença resultante de dolo da parte vencedora em detrimento da parte vencida;

Nesse caso então, teríamos:

a) a parte vencedora demandou dolosamente, isto é, com a intenção consciente, usando de ardil ou má fé, induzindo o juiz a sentenciar a seu favor prejudicando a parte vencida;

b) ou na colusão, (acordo fraudulento) entre as partes a fim de fraudar a lei;

A bem dizer, no caso há um ajuste, um acerto entabulado entre as partes no processo com a finalidade de fraudar a lei, e leva o juiz a proferir uma sentença sem validade.
IV) sentença que ofender a coisa julgada;

Essa hipótese se dá quando o juiz profere sentença em sentido contrário ao já decidido em outra ação, com o mesmo objeto. Vale dizer, o juiz julga pela segunda vez o mesmo objeto já julgado e por isso destituído do interesse de agir. Logo, essa sentença ofende a coisa julgada e pode ser desconstituída pela ação rescisória;

V) sentença que violar literal disposição de lei;

Pois bem. Neste inciso, numa avaliação ampla poder-se-ia dizer que, em sentido lato senso todos os casos dos incisos anteriores, constituem hipóteses de violação da lei;

Contudo, a bem dizer, por ser o direito uma ciência finalística, sua interpretação deve expressar a compreensão das normas e objetivar o alcance da regra jurídica.

Impende salientar que se caracteriza notória ofensa ao direito de defesa, quando o juiz não permite a parte produzir a prova necessária a garantir-lhe a comprovação do direito. Dar-se-á também violação quando não se observar a cláusula due proces of law (devido processo legal) que representa, como já foi dito, o axioma de equilíbrio da jurisdição, o termômetro dos atos do estado, na tormentosa relação com o indivíduo. Quando o julgador, agente do Estado suprime etapas desse corolário de ritos deixando de cumprir formalidades a ele inerentes, malsinando a regular formulação do processo, ter-se-á, então, quadra medieval pungindo a norma constitucional.

Com efeito, pode se dar violação literal da norma infraconstitucional, como normas ou procedimentos do Código de Processo Civil, ou normas de direito civil. Temos, por exemplo, a hipótese clássica de subjugação das normas do artigo 319 do CPC, que estabelece: Se o réu não contestar a ação, reputar-se-ão verdadeiros os fatos afirmados pelo autor. Conquanto a veracidade dos fatos e afirmações da parte seja relativa, o alicerce da veracidade do afirmado pelo Autor só sucumbe se dos autos emergir circunstância que lhe fulmine o conteúdo.

Disso decorre que, descartada a hipótese das circunstâncias a que se refere o artigo 320, isto é, se não houver pluralidade de réus; se não versar o litígio sobre direitos indisponíveis; e se não depender a petição inicial, de estar acompanhada de determinado documento público indispensável à prova do direito, a presunção de verdade dos fatos afirmados pelo autor só será suplantada por notória incongruência ou irrazoabilidade contidas na inicial. Do contrário, o juiz deverá proferir sentença favorável ao pedido, ou caso entenda não caracterizado o efeito da revelia, deverá dizê-lo e mandar o Autor especificar as provas que pretende produzir, em conformidade com o artigo 324 do CPC.

Logo, em não se observando esse procedimento, garantia do devido processo legal e da ampla defesa; nem sendo dados os motivos pelos quais está sendo suprimida essa fase do processo, ditada pelo Código, ter-se-á então, literal violação da lei, fazendo emergir pressupostos da ação rescisória.

Exemplo igualmente de literal violação, como já referido acima, dar-se-á quando não é cumprida a regra do artigo 324 do CPC a dizer: “Se o réu não contestar a ação, o juiz, verificando que não ocorreu o efeito da revelia, mandará que o autor especifique as provas que pretende produzir na audiência”. Como se vê, a norma é cogente, isto é, diz que o juiz mandará, e não que poderá mandar. Logo, não pode deixar de fazê-lo.

Como salientado alhures, essa regra constitui garantia do direito de defesa e a celebração do devido processo legal. O mero propósito de celeridade da prestação jurisdicional não pode justificar a violação de direito da parte com supressão de regras processuais que são garantias do processo.

Saliente-se, ademais, que no julgamento antecipado da lide, diz o artigo 330 do CPC, que o Juiz conhecerá diretamente do pedido, proferindo sentença: I quando a questão de mérito for unicamente de direito, ou, sendo de direito e de fato, não houver necessidade de produção de prova em audiência.

Pois bem. Qual é a intenção da lei? Certamente é que haja a plena obediência às regras do devido processo legal, e por isso o juiz deverá observar o seguinte procedimento:
I se a inicial foi acolhida e o processo se instalou; a questão de mérito é unicamente de direito, sem outra indagação, proferirá o julgamento;

II a questão é de direito e de fato, a petição está devidamente instruída isto é, a prova dos autos é bastante, então, proceder-se-á a antecipação de julgamento proferindo sentença;

III a questão de mérito é de direito e de fato, a prova que instrui a inicial não é bastante para se julgar procedente o pedido. Logo, devidamente requerida pelo autor, impõe-se a necessidade da produção de prova em audiência, por isso o juiz deve fixar prazo determinando à parte que especifique a prova que efetivamente pretende produzir e designará audiência de instrução e julgamento, a esse fim.

Ora, se não for seguido este ritual de garantia do franco e regular acesso à justiça, observando-se o devido processo legal, haverá violação da lei infraconstitucional e, consequentemente, por reflexo à Constituição, pois o devido processo é garantia constitucional.

VI sentença que se fundar em prova cuja falsidade tenha sido apurada em processo criminal, ou seja, a prova sobre a qual se baseou a sentença foi declarada nula em processo criminal;

Bem. Aqui não há mistério, a prova produzida pela parte contrária na ação de que originou a sentença favorável a seu pedido, teve sua falsidade reconhecida em processo criminal, logo, a sentença que se fundou nessa prova e transitou em julgado, nessa condição, não tem eficácia ou validade e pode ser desconstituída pela ação rescisória.

VII se, depois da sentença, o autor obtiver documento novo, cuja existência ignorava, ou de que não pode fazer uso, capaz, por si só, de lhe assegurar pronunciamento favorável;

Também não há dificuldade, se depois da sentença que transitou em julgado, o autor descobre um documento novo, ou um documento de que não pode fazer uso na ação em que foi proferida a sentença que pretende rescindir, documento que, por si só, seria suficiente para garantir-lhe a procedência do pedido naquela ação. Tal documento constitui, então, pressuposto à ação rescisória da sentença.

VIII se houver fundamento para invalidar confissão, desistência ou transação em que se baseou a sentença;

Aqui, ter-se-ão três hipóteses que podem invalidar a sentença e autorizar sua rescisão: a) confissão com fins escusos, sem poderes ou mediante coação, por exemplo; b) transação feita por alguém impedido, ou sem poderes ou que age de má fé; b) desistência feita por quem não tem poderes, ou por indução a erro, ma fé, etc.

IX sentença fundada em erro de fato, resultante de atos ou de documentos da causa;

Nesse caso teríamos uma sentença fundada em um fato inexistente, ou que considerou inexistente um fato existente e sobre o qual não havia controvérsia nem pronunciamento judicial.

O Jurista, Pontes de Miranda disse: “A sentença é emitida como prestação do Estado, em virtude da obrigação assumida na relação jurídica processual quando as partes exercem a pretensão à tutela jurídica. E mais: “O processo é todo encadeado para se chegar ao seu fim, que é a sentença, com a eficácia, que lhe advenha da natureza da ação e das circunstâncias do processo”. Não é o juiz que lhe confere eficácia, segundo quer, é o direito processual, direito como conceito sociológico a que o juiz se subordina, pelo fato mesmo de ser instrumento da sua realização. Esse é o verdadeiro conteúdo do juramento do juiz quando promete respeitar e assegurar a lei. (Comentários ao Cod. de Proc. Civil, tomo V pg. 395 e 398/ tomo VI pg. 290, e. Forense 2ª Ed.)”.

Pois bem.

Malgrado o fato de se fazer restrições à ação rescisória, que se diz em nome da segurança jurídica, a bem dizer, não se pode olvidar que segurança jurídica se compreende no contexto da prática da justiça, mediante a garantia do reconhecimento do direito amparado no regular processo legal, com resolução lícita, eficiente e eficaz, como dever do Estado. Não há falar-se em segurança jurídica malsinando o direito em sentença obscura que não deve subsistir no mundo jurídico.

A bem dizer, o direito de impugnar sentença combalida e transitada em julgado, é garantido nos diversos países em que vige a ordem jurídica, variando, contudo, o prazo decadencial, que pode ir de alguns meses a cinco anos e, às vezes, a denominação também varia: Na Alemanha, Áustria e Espanha, por exemplo, é ação rescisória; na frança e Portugal é denominada revisão e na Itália a revocazione, mas, com o mesmo objeto.

No Brasil, o direito de propor a ação rescisória era previsto no Código Civil de 1916, com prazo prescricional de (5) cinco anos, artigo 178 § 10, inciso VIII. Trasladado o direito à ação rescisória para o Código de Processo Civil de 1973, teve o prazo transformado em decadência e reduzido a dois anos do trânsito em julgado da sentença, artigo 485;

A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça é reiterada no tocante a julgamento antecipado da lide dizendo que se a parte protestou pela produção de prova e não se lhe permitiu produzir, e o pedido é julgado improcedente, dá-se violação ao direito de defesa.

Combatida pelos conservadores e incautos a ação rescisória se constitui, na minha concepção, em salvaguarda fundamental de possibilidade de redenção do direito malsinado por sentença equivocada e pode ser a superação dos percalços de uma prestação jurisdicional mal conduzida. Não é por acaso que o instituto está sendo preservado com o acréscimo de algumas outras hipóteses circunstanciais que podem deixar a sentença vulnerável ou ineficaz.

O novo Cód. de Processo Civil aprovado no Senado e em votação na Câmara dos deputados mantém o direito à ação rescisória, reduzindo apenas o prazo decadencial para um ano, artigo 978, mas, acrescentando três circunstâncias que autorizarão também a ação rescisória, quais sejam:

a) será rescindível a decisão transitada em julgado que, embora não sendo de mérito, não permita ou impeça o reexame de mérito;

b) a ação rescisória pode ser objeto apenas de um capítulo da decisão;

c) é rescindível a decisão proferida em procedimento de jurisdição voluntária;

Com efeito, conclui-se que a ação rescisória é uma garantia da tutela jurisdicional definitiva devida pelo Estado, com eficácia e consumação da justiça em sua verdadeira e virtuosa concepção. É a última fronteira de redenção do direito malsinado por decisão inconsequente, que se põe a imolar mundo jurídico e os fins da justiça.

Contudo, convém ressalvar que, malgrado sua relevância, não se pode imaginar ação rescisória como uma espécie de substituta de recurso, conquanto o trânsito em julgado da sentença.

*Eliseu Fernandes – advogado, sócio da banca Fernandes Yassaka e Garcia, Desembargador aposentado – membro da 1ª Câmara Especial do Tribunal de Justiça/RO.*

Fonte da Notícia: Eliseu Fernandes

Mais Publicações

Acessos Rápidos

4 Dez
14h e 15h
próximo evento

Sessão do TED

Auditório OAB/RO

R. Paulo Leal, 1232-1300 - Nossa Sra. das Graças, Porto Velho - RO, 76804-128

local
32172123 mais informações
Márcia Cristina ,Josué Henrique,David Lukas / Whatsapp (999610279) responsáveis

Cristiane Lima responsável

69 3217-2112 telefone
Ana Flávia responsável

69 3217-2112 telefone
Luana Maia responsável

69 3217-2108 telefone
Alexia Alves responsável

69 3217-2113 telefone
Jaqueline Freitas responsável

69 3217-2114 telefone
Alexia Alves responsável

69 3217-2113 telefone
Marcelo Marques,Shirley Vasconcelos responsáveis

Ana Cristina,,Taciana Guzman,Sarah Silva,Maria Odete,Elis Ramos responsáveis

Cristiane Lima responsável

69 3217-2112 telefone
Khenia Medeiros responsável

69 3217-2103 telefone
Elisângela Oliveira responsável

69 3217-2101 telefone
Elisângela Oliveira responsável

69 3217-2100 telefone
Leandra Nomerg responsável

69 3217-2110 telefone
Jessica Delai responsável

69 3217-2124 telefone
Daniel Nevony responsável

69 3217-2121 telefone
Isa Carneiro,Irlene França,Rosa Brilhante responsáveis

Elen Rodrigues,Jane Paulino responsáveis

69 3217-2123 telefone